Software de Gestão do Conhecimento para Trabalhos Acadêmicos

Clique AQUI para mais informações!

quarta-feira, 23 de junho de 2010

PRINCÍPIOS CALVINISTAS PARA ESCOLHER OS PRÓXIMOS POLÍTICOS - Parte I

Estamos coletendo em nossos blogs um conjunto de textos bíblicos, teológicos e reflexões diversas que sirvam de princípios e orientações para escolhermos os próximos e futuros representantes para o legislativo e executivo (que serve também para o JUDICIÁRIO tão carente de moralidade) a partir de uma - DIVERSIDADE SADIA - perspectiva bíblica, cristã, reformada, calvinista, puritana, reformacional, teonomista e presbiteriana, superando os pressupostos filosóficos e religiosos naturalistas, secularistas, evolucionistas e niilistas, caracterizado pelos seus reducionismos na teoria política progressista, esquerdista, socialista, petista, clientilista, fisiologista, comunista ou liberal-direitista. A sua participação e contribuição é muito importante!

Prof. Luis Cavalcante - http://luis-cavalcante.blogspot.com/


E QUE GOVERNE BEM A PRÓPRIA CASA por Rubem Amorese*


Quero propor que, nas eleições deste ano, você vote em um economista. Não estranhe, não é qualquer economista. Para merecer seu voto, ele precisará ser competente, no sentido proposto pelo apóstolo Paulo, ao falar em eleições para presbíteros e diáconos (1Tm 3.4, 12).

Deixe-me explicar: a palavra “economia” é formada do grego “oikos” (casa) + “nomos” (ordem, governo). Economia, então, “oiko+nomia”, era a boa administração da casa, do lar. É por isso que Paulo nos recomenda que examinemos a vida familiar daquele que aspira ao episcopado, “pois, se alguém não sabe governar a própria casa, como cuidará da igreja de Deus?” (v. 5). O bispo, no caso, tinha funções de administrador, além de liderança espiritual.

Essa proposta pode suscitar um questionamento razoável, no sentido de que não devemos transpor nossos padrões ao mundo, nem lhe impingir nossa fé. Afinal, pretendemo-nos uma república laica. Concordo. Mas, não é isso que estou propondo. Estou apenas sugerindo aos meus irmãos cristãos um critério de escolha. Um critério bíblico para as eleições realizadas na igreja. Proponho um modo eclesiástico de olhar para um candidato secular. Pode ser? Claro que pode! Se o candidato for um reconhecido alcoólatra, podemos negar-lhe nosso voto. Não estaremos usando a recomendação “não dado a muito vinho”, encontrada no mesmo texto? E se for um “ficha suja”, não usaremos o critério “e que tenha bom testemunho dos de fora” para desclassificá-lo?

Você já reparou como, em muitos lugares do mundo, os políticos fazem questão de aparecer em público acompanhados do cônjuge e dos filhos? Claro que não estão pensando na Bíblia. Estão pensando em “marketing” político. E, mesmo que vivam às turras com o cônjuge ou que estejam se divorciando, em época de eleição isso precisa ser escondido, a qualquer preço. São proverbiais os casos de políticos que pagam uma fortuna para ter o cônjuge, sorridente, no seu palanque. Ora, se esse fenômeno, mesmo visto como hipocrisia burguesa, ainda vigora em muitas sociedades modernas, até nas mais secularizadas, por que não usar tal critério, agora, em tempos de lusco-fusco moral e político?

Alguém dirá que uma família de bandidos pode ser muito bem “administrada” pelo facínora maior. É verdade. Há famílias dedicadas ao crime com invejável “economia”. Porém, não somos eleitores tão ingênuos e alienados assim. Se procurarmos saber da vida privada daquele candidato que mora em nossa cidade, cujo filho vai à mesma escola que o nosso e cuja esposa compra no mesmo supermercado, então muita coisa poderá ser levantada sobre a competência “econômica” daquele candidato. Talvez essa seja uma das vantagens do voto distrital -- os candidatos estão mais perto dos eleitores.

Concentre-se nas relações familiares. Descubra como ele ou ela vive em família. Se possível, monte uma rede de informações, com seus irmãos e amigos. Dê preferência àquele candidato que tem a casa em ordem, independente de ele ser um iniciante, com pouco “ibope”. E atenção: não relaxe com religiosos. Todos devem ser submetidos ao mesmo critério. Se fazemos assim com irmãos da nossa igreja, por que não o faremos quando esses mesmos irmãos se lançarem na área pública?

Eu sei, é muito pouco. E as propostas dele? E o seu passado político? E as alianças que já fez ou que terá de fazer? Claro, tudo isso é importante. E vale a pena ser considerado. E faz parte da cidadania podermos avaliar tudo isso secretamente. Mas, se tudo isso estiver muito confuso para você, e todos, na televisão, parecerem cópias uns dos outros, então aplique ao caso o conselho de Paulo.

E, se você descobrir que aquela pessoa super cotada pela mídia é um desastre em “oikonomia”, não tenha dúvida, escolha outra. Pois, se alguém não sabe governar a própria casa, como cuidará da coisa pública? Pelo menos, você não estará errando no básico.

Rubem Amorese é consultor legislativo no Senado Federal e presbítero na Igreja Presbiteriana do Brasil em Planalto - Brasília. É autor de, entre outros, Louvor, Adoração e Liturgia e Fábrica de Missionários -- nem leigos, nem santos. E-mail: ruben@amorese.com.br
Publicado na Revista Ultimato n° 324.

Nenhum comentário:

Postar um comentário